segunda-feira, 14 de março de 2011

Facas "Brut de forge" e outras peças do Carnaval do Serapião

Caros amigos,

Somente agora, depois do Carnaval, tive condições de voltar a escrever e dividir minhas idéias com vocês...
Desta feita venho mostrar-lhes alguns trabalhos que foram "finalizados" durante o período de Carnaval... Não participo da cultura momesca que, por um lado dissemina uma alegria saldável, mas por outro causa euforia geral e excessos de todas as ordens. Quando me é possível, prefiro ir a uma praia com a família onde possa mergulhar com meus filhos e desfrutar todas as coisas que um ambiente assim propicia... Enfim... Não foi esse o caso do último carnaval.

Como sempre, estou atrasado nos trabalhos e pretendia dar uma acelerada na produção. Mesmo driblando a boa e velha "escala extra" do Carnaval, tão conhecida de todos os militares e policiais do Brasil, tentando, fazer coisas "novas" sob alguns aspectos. Normalmente tenho diversos projetos em andamento ao mesmo tempo que vão sendo finalizados segundo uma série de "fatores subjetivos". É bem verdade, e só quem é cuteleiro entende, que há poucas atividades artesanais onde a margem de erros seja tão alta, quanto a cutelaria... "cuteleiro é bicho que sofre sozinho"... Ao ver uma faca pronta pouca gente pode imaginar o trabalho empreendido... Mas essa é a minha arte e eu tenho tentado fazer cada vez melhor. Pelo menos o melhor que posso para o momento.


Então, pelo título, vocês podem imaginar que os trabalhos do Carnaval/2011 recairam sobre as "brut di forge". Mas, afinal, o que danado é isso????

Chamamos peças "brut di forge" àquelas onde de manteve o aspecto original que se tem do aço recém-saído da forja. Ao ser forjado o aço passa a exibir um aspecto visual cinza/escuro que é a cor da famosa "carepa" que retiramos na usinagem realizada nas lâminas. Essa "carepa" é, na verdade um óxido métálico bem duro. Por isso muitos cuteleiros, inclusive eu, removem este camada com a esmerilhadeira antes de passar à lixadeira propriamente dita. É uma questão prática e econômica... Pois as cintas de lixa são mais caras que os discos da esmerilhadeira... Simples assim....

Ao forjar uma peça que deverá resultar num aspecto "brut di forge" o forjador deverá ter alguns cuidados...


O primeiro é forjar cuidadadosamente pois a peça deverá terminar com o formato, alimento e espessura do gume muito próximas do formato final.

A segunda é visualizar na peça como deverá ser o "aspecto" desejado a trabalhar o aço pra chegar no resultado pretendido.


Particularmente, eu prefiro forjar toda a peça e, posteriormente, "texturizá-la" de alguma maneira. Dá mais trabalho mas o aspecto visual compensa. Na faca acima, usei um pequeno e leve martelo bola. Toda a lâmina é trabalhada quando está ainda em temperatura de forjamento...

Obviamente, apesar do aspecto "brut", todas as etapas de recozimento, normalização, têmpera e revenimento são feitas de modo análogo a das facas polidas... Caso contrário não se terá uma lâmina de boa qualidade.



Também são consideradas facas "brut di forge" as peças obtidas de ferramentas como limas e grosas. Gosto da idéia pois a reciclagem é sempre interessante, tanto visual como filoficamente.

Durante os dias de Carnaval/2011 executei algumas peças nesse estilo peculiar que, agrada a uns e desagrada a outros. Como não tenho nenhum dogma cuteleiro acalento a idéia de conseguir fazer, da melhor maneira possível, qualquer estilo de peça...

Uma das carnavalescas foi essa Camp Knife Integral, estilo Kukri, forjada de uma barra redonda de aço 5160 c/ 1". Foi uma experiência interessante pois a proposta era fazer a faca com um mínimo de usinagem.
Usei, pro cabo, o formato das espadas Kópis que muito me agrada . Contudo foi necessário usar um bloco extremamente largo pra dar esse recorte "curvo". O amigo Beto Braga me fornecera blocos adequados de Gonçalo Alves que permitiram o trabalho, felizmente.

O produto foi uma faca rústica, grosseira até se comparada ao que eu geralmente faço, mas funcional com 14" de lâmina não é uma peça de "exposição" mas como ferramenta deve servir bem. Esse aspecto foi obtido usando uma pequeno martelo pena com que bati "de quina" em toda a extensão da lâmina.

Por ser uma faca "big" pensei numa bainha que possibilitasse a saída com mais facilidade pois demora pra sacar um lâmina desse tamanho... Então fiz uma "saque-rápido" onde 1/3 do dorso é costurado. o "V" restante torna mais fácil sacar essa camp. O conceito não é novo, tampouco meu, mas funcionou.

A Segunda peça "brut" foi uma pequena "skinner", tbm integral, de O1 (VND), de 5". Aprecio skinners integrais pela sua leveza, robustez e objetividade. Elas resolvem!. Nessa procurei dar alguma beleza (sóbria contudo) com ébano do gabão ("preto que só asa de graúna") com pino mosaico e passador de inox. Foi adicionado, ainda, um filework enviesado pra melhorar o apoio do polegar. A peça foi oxidada a frio pra complementar o visual "black".

Como disse antes, tenho uma queda por reciclagem. Faço rotineiramente, um modelo de skinner de lima que, felizmente, parece agradar bastante.
Nessa usei uma lima "diamond cut" da K&F que tem a textura mais "fina". A lâmina tem 4", com têmpera seletiva e oxidação à frio. O Cabo é de chifre de cervo Colorado com espaçador e pomo de inox encimados por papel vulcanizado vermelho. A aparência envelhecida da peça foi obtida com banho de permaganato de potássio.

E, por último, mas não menos importante, concluí uma boa e velha "lambedeira" forjada de 5160 c/ 9" de lâmina. Cabo de Jacarandá, pinos de inox com contra-fio afiado e oxidação com percloreto. As talas do cabo são de um jacarandá extremamente bonito como poucos que vi.

Esse tipo de faca tem um grande apelo regional pois é um "aprimoramento" das nossas pexeiras e o formato muito bom, sobretudo, pras atividades culinárias.

Bem, meus caros amigos, este foi o resultado do trabalho do carnaval. Infelizmente não consegui fazer tudo que desejava mas logo postarei mais novidades aqui. Espero que tenham gostado e Obrigado pela paciência de lerem o que eu, modestamente, escrevo.

Um abraço a todos.

9 comentários:

  1. Serapiao, lindas peças.
    Continue assim.

    ResponderExcluir
  2. Foram-se os tempos em que algumas destas belezas chegavam às minhas mãos. Parabéns pelos maravilhosos trabalhos, mano!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns , belas facas, gostei da pequena SKINNER, e também da reciclada da lima muito bom mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, forja primorosa ,voce e um exelente profissional,gostei muito de varias facas com um interesse em especial pelas de bushcraft e as de caça., excelente blog e trabalhos ,abraços.

    ResponderExcluir
  5. da ate dó de usar umas facas assim... parecem obras de arte, destinadas a ser colocadas em molduras e somente apreciadas visualmente.

    parabens, vou te add no meu blog roll.

    v.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Victor, Muito Obrigado. São peças feitas com cuidado mas totalmente funcionais. Agradeço a sua visita.

      Excluir
  6. Boa noite amigo, tbm sou cuteleiro, gostei muito de seu trabalho, sem dúvida serve como inspiração, minha única dúvida é quanto a bainha essas ai foram feitas com soleta resinada? Eu agradeceria muito sua opinião sobre esse tipo de soleta e seu uso para bainhas! Se tiver whats e quiser trocar uma idéia meu número é 55 51 85033643
    Desde já agradeço a atenção e parabéns pelo berço trabalho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se ainda estiver por aí, meu ZAP é 087 999451354

      Excluir